Processo de tratamento da água e esgoto chama atenção de visitantes da Expoacre 2019

athenas Institucional

A estrutura é aparentemente simples. Alguns pequenos tubos, placas de vidro e garrafas plásticas dão a forma às miniestações de tratamento de água e esgoto montadas no estande do Departamento Estadual de Água e Esgoto (Depasa) na Expoacre 2019. A montagem contou com a parceria de professores e estudantes da Unimeta que, durante a feira, unem-se às equipes do Depasa para mostrar aos visitantes como funciona o processo de tratamento de água e esgoto.

Uma das estruturas permite visualizar todo o processo de tratamento da água, desde a chegada à estação onde a água recebe os produtos químicos, decantação, filtragem e distribuição. A outra maquete demonstra o processo de tratamento do esgoto, que passa pelo gradeamento, (retenção dos resíduos sólidos,  momento em que a areia em suspensão no esgoto vai para o fundo do tanque, enquanto os materiais orgânicos ficam nas camadas superiores); decantação, quando  o material orgânico sólido é misturado e sedimentado no fundo, formando lodo, até a fase final, quando o material é exposto a altas temperaturas, o que força a evaporação de qualquer resquício de água ainda presente no material.

Morador do bairro Belo Jardim, José Oliveira gostou de saber mais sobre a água que ele recebe em casa. “Não sabia que era assim. São muitos processos até a água chegar na nossa casa. Bom saber”.

O diretor-presidente do Depasa, Zenil Chaves, lembra a importância do tratamento da água e do esgoto para a saúde e o ambiente. “A partir do momento que recebe o tratamento, a água torna-se própria para o consumo. Ainda assim, depois de usada, essa mesma água tratada ainda retorna para os mananciais impuros, contaminando os mananciais. Tão importante quanto tratar a água para beber é tratar o esgoto para não contaminar nossos mananciais”.

Qualidade da água

O cuidado com a qualidade distribuída aos usuários do Depasa é constante e envolve ações que vão desde a limpeza e manutenção das estações e reservatórios, bem como monitoramento e reparo de vazamentos que podem alterar a qualidade da água tratada e distribuída.

Os testes verificam nível de pH (que identifica se a água é ácida, neutra ou alcalina), turbidez (que reflete o grau de transparência), cor aparente (que mede o grau de coloração), cloro residual (utilizado no processo de desinfecção, que tem a função de eliminar agentes patogênicos causadores de doenças, tais como microrganismos), além dos parâmetros microbiológicos que avaliam a presença de coliformes totais e fecais, que indicam a existência de bactérias nocivas ou não no processo final de tratamento.

O resultado das análise é informado ao suário na conta de água que ele recebe em casa.

 

Fonte: Cleide Elizabeth  – www.agencia.ac.gov.br