Professora da Unimeta é convidada para contribuir na construção do Programa Nacional para Gestão de Áreas Verdes Urbanas

athenas Engenharia Ambiental, Institucional

A Professora de Engenharia Ambiental da Unimeta, Dalva Araujo Martins, participará nos dias 11 e 12 de setembro, da construção do Programa Nacional para Gestão de Áreas Verdes Urbanas, a convite do Ministério do Meio Ambiente, em Brasília.

De acordo com a educadora, que atua também na Divisão de Gestão Ambiental da Prefeitura Municipal de Rio Branco, a capital do Acre tem sido modelo para o Brasil no que se refere a gestão ambiental, e ela vem atuando na área há 15 anos, o que lhe possibilitou participar da Gestão Ambiental do município durante este período, nos últimos anos estando a frente e desenvolvendo trabalhos com ligações diretas com o Ministério do Meio Ambiente. “Os avanços de nosso trabalho são reconhecidos e divulgados nacionalmente em eventos ambientais que ocorrem com frequência. Sendo assim meu nome se tornou referência na área ambiental”, conta ela.

Para Dalva, muitas vezes os programas federais são planejados de forma padrão para o Brasil inteiro, no entanto, este formato não considera as particularidades de cada Estado. Quando os Estados, ou uma região como a Amazônia, é convidada para participar, ocorre uma descentralização de interesses e os programas são mais detalhados sobre tudo no que é consistente com as particularidades locais. “Por exemplo quando se fala em desenvolvimento somos remetidos a instalação de indústrias, aberturas de estradas e outras características de grandes centros urbanos. Mas para a Amazônia o desenvolvimento tem outro viés, voltados ao uso adequado dos recursos naturais, garantindo a permanência e usos para gerações futuras. Não desmatando a floresta para aberturas de estradas ou construção de industrias”, explica ela.

As unidades de conservação são áreas demarcadas para preservação ou conservação dos patrimônios naturais e culturais. Muitos povos e civilizações reconheceram, ao longo da história, a necessidade de proteger áreas naturais com características especiais, por motivos mais diversos: estas áreas podiam estar associadas a mitos, fatos históricos marcantes e à proteção de fontes de água, caça, plantas medicinais e outros recursos naturais. Porém com o passar do tempo, muitas áreas naturais foram sendo destruídas para dar lugar à ocupação humana irregular, sobre pretexto de geração de renda. Assim o Programa surge como uma alternativa de gestão destas áreas de forma a garantir a preservação e conservação, com geração de renda e controle da ocupação humana.

Este encontro é o primeiro esforço do Ministério rumo a criação do Programa. É nele que a linha de desenvolvimento deste será desenhada, por isso, a importância da participação dos Estados na criação do Programa Nacional para Gestão de Áreas Verdes Urbanas.

“Como professora, existe uma necessidade de constantemente atualização dos conhecimentos de nossa área, fazer parte da criação deste instrumento nos permite automática atualização. Quando os alunos tem um professor com conhecimento atualizado, que compreende e participa das mudanças no cenário nacional, garantem melhor preparação para o mercado de trabalho, uma vez que o conhecimento do professor é partilhado diretamente com os alunos”, finaliza a docente.

Dalva Araujo Martins

Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Acre (2008) e mestrado em Ecologia e Manejo de Recursos Naturais pela Universidade Federal do Acre (2010). Atualmente é gestora da Coordenação de Programas e Projetos da Prefeitura Municipal de Rio Branco e professora do Centro Universitário Meta, atuando principalmente nos seguintes temas: Ecologia, Agroecologia, Biologia básica, Manejo, Conservação e Meio Ambiente.